Sumidoiro's Blog

01/10/2013

JOÃO E MARIA

Filed under: Uncategorized — sumidoiro @ 6:39 am

♦ Breve história genealógica

Sofrendo pelo amor perdido, repentinamente ele se foi e sequer um retrato deixou. João Francisco de Assis de Souza Vianna faleceu aos cinquenta e cinco anos de idade. Sua muito amada mulher, Maria da Glória Pereira da Costa, havia falecido de parto poucos anos antes e, logo depois, também o filho que a ela sobrevivera e que fora batizado José. Ficaram apenas memórias e alguns documentos que, afortunadamente, permitem trazer de volta um pouco desse admirável casal que viveu em Curvelo (MG).

Post - Sumidouro & J FranciscoLagoa que enfeita a Quinta do Sumidouro, terra de João Francisco de Assis de Souza Vianna.

O sobrinho Augusto de Vianna do Castello escreveu(1) sobre o major João Francisco de Assis:

“… Faleceu relativamente moço, pouco antes ou pouco depois da proclamação da República, já viúvo e pai de numerosa prole. Do meu pai e de outros ouvi quase tudo o que sei dele. Foi casado com dona Maria da Glória, filha do meu tio José Pereira da Costa − o Ruivo(2) − irmão de minha mãe, e a morte lhe causou tanto abalo, físico e moral, que meu pai receou que enlouquecesse, falecendo anos depois. Era um bizarro negociante. Era difícil dizer ao comprador o preço da mercadoria, desviando a sua atenção com elogios ao artigo em causa: ‘Fazenda muito boa, tem muita procura, padrão muito bonito, etc.’ Abstêmio, não conhecia bebidas. Se o freguês pedia cachaça, dizia, invariavelmente: ‘Tenho boa e nova’ −, supunha que cachaça nova era melhor.

Não se envolveu em política local ativamente, limitando-se a acompanhar meu pai* (* Felicíssimo de Souza Vianna) e a apoiá-lo. Nesse terreno, o incidente mais notável da vida foi sua prisão, […] quando ia presidir a mesa eleitoral, por ocasião do golpe que deu a vitória à facção Mascarenhas.

Post - João Francisco de A S V - batRegistro de batismo de João Francisco de Assis.

A criação das fábricas de tecidos sob a firma Mascarenhas & Irmãos, depois incorporadas na S. A. Cedro & Cachoeira − as primeiras instaladas na província − deu alto renome e riqueza à família Mascarenhas, que ainda contava muitos membros, ricos fazendeiros, e ligados por casamento a outras famílias de abastados fazendeiros do município e seus arredores. Os Viannas, menos numerosos, tinham sido negociantes (meu pai, tio Cândido e tio João) e transformados em modestos capitalistas, depois de adquirirem algum pecúlio, cuidaram da educação dos filhos. Nessas condições, era natural fossem os Mascarenhas ganhando força e prestígio, junto ao povo e perante o governo.

No período de luta mais acesa […] − entre 1880 e 1884 −, em data que não posso precisar, numa eleição que se realizava na cidade, na matriz (chamada Igreja Nova), o meu tio major João Francisco de Assis Vianna, presidente da mesa eleitoral, foi preso ao ingressar no templo para dar início à eleição. Prendeu-o o delegado militar, sob o pretexto de estar ele armado. O tio João era, normalmente, homem pacífico e ordeiro, negociante estabelecido, pai de família, e a arma que trazia era uma bengala de estoque(3), recebida de presente e habitualmente usada, sempre que saía de casa.

A farsa do golpe tinha sido preparada e combinada. O delegado militar, pedido pelo dr. Pacífico* (Mascarenhas), era o comandante do destacamento e comparecera cedo, colocando o corneteiro na casa de negócio da firma Cruz & Mascarenhas, na proximidade da igreja e onde, depois, residiu e negociou Altino Mascarenhas. A firma […] compunha-se dos sócios Manoel da Cruz Fernandes (vulgo Neca da Felicidade) e do coronel Victor Mascarenhas. No ato da prisão do meu tio, o corneteiro daria o toque de alarme, chamando a força. Essa prisão determinou tanto alvoroço que meu pai, inimigo da desordem e respeitador da lei e da autoridade, apaziguou, fazendo o meu tio entregar-se.

Post - BengalaBengala de estoque.

Conduzido à cadeia, o carcereiro recusou-se a recebê-lo sendo chamado o doutor Barata − juiz de direito da Comarca − que o mandou recolher-se à sala da Câmara e, com pequeno intervalo, o pôs em liberdade. De tudo isso não se lavrou nenhum auto, nem houve nenhum processo. Consumou-se, porém, o golpe premeditado, constituiu-se nova mesa eleitoral que funcionou sem mais incidentes, a não ser o de protestos inoperantes.

Sem deixar o Partido Liberal, abandonou o meu pai* (*Felicíssimo) a política local e passou o dr. Pacífico a chefiar o partido […] em Curvelo, elegendo-se deputado geral e, nos últimos anos da monarquia, dando ao seu lado e pela mesma circunscrição, outra cadeira ao seu irmão dr. Sebastião.”

E continuou Vianna do Castelo, no relato sobre o tio:

“Possuía casa de morar própria(4), a fazenda do Saco Sujo, diversas partes de terra, espalhadas no município, além do fundo de negócio, mas deixou um espólio muito complicado, cuja liquidação, afinal, foi feita pelo seu filho Francisco de Assis Vianna, que estudava preparatório em Ouro Preto e teve que voltar para Curvelo. A sua morte prematura não permitiu que aproveitasse a valorização geral que houve, poucos anos depois da proclamação da República.”

Post - Curvelo antigaCurvelo antiga.

Quem é ele

João Francisco de Assis é o filho caçula de Antônio de Souza Vianna e de Josefa Fernandes de Azevedo; neto de Bernardo de Souza Vianna e de Thereza Moreira.(5) Natural da Quinta do Sumidouro, foi batizado(6) na histórica capela do vilarejo pelo padre Antônio de Souza Camargo, no dia 29.10.1832. Teve como padrinhos os parentes capitão Manoel Teixeira da Costa e Maria Cândida de Assumpção da Fonseca Vianna(7). Em Curvelo, sua principal atividade foi a de comerciante e, em menor escala, a de fazendeiro. Também, por breves períodos, foi delegado de polícia(8) e vereador(9).

Post - Capela Quinta antiga← Antiga capela da Quinta do Sumidouro

Quem é ela

Maria da Glória Pereira da Costa é filha de José Pereira da Costa Júnior(10) e de Maria Leopoldina Pereira da Costa(11) (Maria Leopoldina da Conceição Abreu, quando solteira). Esta, por sua vez, é filha do capitão Anastácio José Gonçalves de Abreu e de Francisca Marcianna de Assis e Castro. Os Gonçalves de Abreu são originários de Sabará (MG) e os Pereiras da Costa de Santa Luzia (MG).

Os filhos

Quando João Francisco de Assis faleceu(12), em 1888, deixou uma penca de filhos ao desamparo, alguns muito jovens e a maioria crianças:

Albertina (Fabita), 23 anos de idade; Francisco de Assis (Chiquinho), 21; João Francisco de Assis Filho, entre 19 e 20; Arthur, entre 19 e 20; Flávia Augusta, 12; Maria da Glória (Quinha), 9; Celuta de Assis, 7; Antônio (Nico) Augusto, 6 e Vírgínia (Ziu), 5. Com a ajuda de amigos e familiares, e com o passar do tempo, o sofrimento pela falta dos pais foi-se apagando. Ficaram na memória de quem os conheceu como gente sem amarguras, alegres e otimistas. A caçula do casal, Virgínia, foi prontamente amparada com a tutela do cunhado Clarindo Jorge de Lima(13), que se casou, em 10.12.1889, com sua irmã e primogênita Albertina. As demais crianças receberam o apoio dos irmãos mais velhos, de parentes e de amigos. Naqueles tempos, essa solidariedade era costumeira nas comunidades do interior.

Albertina Vianna (Fabita) − *1865 / †02.08.1905, casada com Clarindo Jorge de Lima, *25.04.1864 / †26.07.1923

Francisco (Chiquinho) de Assis Vianna − *1867 / †03.02.1940, casado com Maria Augusta Etelvina Guimarães, *1869 / †19.02.1963

João Francisco de Assis Vianna Filho − idade entre 19 e 20 anos, em 1888 / †07.02.1932. Solteiro.

Arthur Vianna, idade entre 19 e 20 anos, em 1888. Uniu-se a Vicenza Oliveira.

Flávia Augusta Vianna − *07.07.1876 / †21.11.1934, casada com José Soares Diniz Junior, *12.07.1871 / †20.10.1941

Maria da Glória (Quinha) Vianna − *30.08.1878 / †21.03.1961, casada com Flávio Espeschit, *07.02.1882 / †28.03.1974

Celuta de Assis Vianna − *17.08.1880 / †01.03.1931, casada com Raul d’Almeida Machado, *05.09.1884 / †05.07.1967

Antônio (Nico) Augusto Vianna − *30.03.1882 / †24.06.1944, casado com Francisca Carolina Drummond de Figueiredo, *20.04.1886 / †03.03.1927

Vírgínia (Ziu) Vianna − *11.02.1883 / †27.06.1941, casada com Alcibíades (Bides) de Paula, *02.12.1872 / †28.10.1924

José Vianna − * e † entre 1884 e 1885

Post - José & Flávia

José Soares Diniz Júnior e Flávia Augusta VIANNA.

Post - Flávio e QuinhaFlávio Espeschit e Maria da Glória VIANNA.

Post - Antônio e FranciscaAntônio Augusto VIANNA e Francisca Carolina Drummond de Figueiredo.

Post - Bides e ZiuTenente Alcibíades de Paula e Virgínia VIANNA.

Os netos

Filhos de: Albertina Vianna – não se tem notícia. // Francisco de Assis Vianna – Ondina Guimarães Vianna (irmã Maria Ângela), Francisco Guimarães Vianna, Lamartine Guimarães Vianna, Esther Augusta Guimarães Vianna, Geny Guimarães Vianna, Nazareth Guimarães Vianna. // João Francisco de Assis Vianna – sem descendência // Arthur Vianna – filhos: Anna Vianna, Hilda Vianna e Maria da Glória Vianna. // Flávia Augusta – filhos: Celenita Vianna Diniz, Maria Flávia (Lieta) Vianna Diniz, Nathercia Vianna Diniz, Ilda Vianna Diniz, Cyra Vianna Diniz, Cirta Vianna Diniz, Hélia Vianna Diniz, Olga Vianna Diniz, Enéas Vianna Diniz, Hilda Vianna Diniz, Lourival Vianna Diniz, Geraldo Vianna Diniz, Milton Vianna Diniz, Newton (Tico) Vianna Diniz, José (Zeca) Vianna Diniz, Ilhá (Iaiá) Vianna Diniz, Alcista Vianna Diniz e Elza Vianna Diniz. // Maria da Glória (Quinha) Vianna – filhos: Geraldo Vianna Espeschit, Celuta Vianna Espeschit, Cyra Vianna Espeschit, Humberto Vianna Espeschit e Genny Vianna Espeschit // Celuta Vianna – filhos: Álvaro Vianna Machado, Dulce Vianna Machado, Ernesto Vianna Machado, Raul Vianna Machado, Humberto Vianna Machado, Armando Vianna Machado, Arnaldo Vianna Machado, Helvécio Vianna Machado, Maria Eugênia (Geninha) Vianna Machado, Maria da Glória Vianna Machado, Roberto (Betinho) Vianna Machado. // Antônio Augusto Vianna – filhos: Nady de Figueiredo Vianna, Ruth de Figueiredo Vianna, Alda de Figueiredo Vianna, Reinaldo de Figueiredo Vianna, René de Figueiredo Vianna, Jason de Figueiredo Vianna, Antônio de Figueiredo Vianna, Walter de Figueiredo Vianna, Benedicto de Figueiredo Vianna, Francisco de Figueiredo Vianna // Virgínia Vianna – filhos: Homero Vianna de Paula, Renault Vianna de Paula, Geraldo Vianna de Paula, Maria de Lourdes Vianna de Paula, Eduardo Vianna de Paula, Affonso Vianna de Paula, Dâmaso Vianna de Paula, Helena Vianna de Paula e Mauro Vianna de Paula. 

Por Eduardo de Paula

Colaboração: Berta Vianna Palhares Bigarella

— Veja neste Blog Sumidoiro’s os Posts: “No alto daquela serra”, “A família de Bernardo” e “Dois Anastácios”. / No Blog http://docsdosumidoiro.wordpress.com vários documentos sobre genealogia.

———

(1) CASTELLO, Augusto de Vianna do − Batizado Augusto de Azevedo Vianna, é filho do major Felicíssimo de Souza Vianna (irmão de João Francisco de Assis de Souza Vianna) e de Maria Sérgia Pereira da Costa (irmã de José Pereira da Costa Júnior, o Ruivo).

(2) “O Ruivo” − Augusto de Vianna do Castello explica o apelido:  “… meu tio José Pereira da Costa, […] conhecido, por ser muito louro, pela autonomásia Ruivo.” / Autonomásia é a substituição de um nome próprio por um nome comum (ex.: o Historiador para designar Alexandre Herculano), ou de um nome comum por um nome próprio (ex.: Hipócrates para designar médico).

(3) A bengala de estoque é um apetrecho de duas utilidades. Além de apoio ao caminhante, serve como arma branca, pois possui uma lâmina de espada encapsulada no interior do bastão.

(4) A residência de João Francisco de Assis situava-se na rua do Riachuelo.

(5) Veja o Post “A família de Bernardo”.

(6) Arquivo da Cúria Metropolitana de Belo Horizonte – Batismos, Lagoa Santa, fl. 200 – “Aos vinte e nove dias do mez de Outubro de mil oitocentos e trinta e dous anos na Capella da Quinta da Freguezia da Alagoa Santa o Padre Coadjutor Antonio de Souza Camargo o baptizou e pos os Santos Oleos a João parvolo filho legitimo de Antonio de Souza Vianna, e de Dona Josefa Fernandes: forão padrinhos padrinhos o Capitão Manoel Teixeira da Costa, e sua mulher Dona Maria Candida de Assumpção. / O Vigro. Manoel de Almeida Lima”

(7) A parentela − O padrinho Manoel Teixeira da Costa (terceiro com o mesmo nome) − comendador e capitão: filho único dos portugueses Manoel Teixeira da Costa (o segundo) e Maria Francisco Correa de Mattos, todos residentes na fazenda do Engenho, na região do Sumidouro; ele neto do português Manoel Teixeira da Costa (o primeiro). // A madrinha Maria Cândida de Assumpção da Fonseca Vianna: filha do tenente-coronel Antônio da Fonseca Ferreira e Josefa de Abreu Velloso, casada com José de Souza Vianna, filho do alferes Bernardo de Souza Vianna, avô da criança batizada. // O pai de João Francisco de Assis, é Antônio de Souza Vianna, filho de Bernardo de Souza Vianna e meio-irmão paterno de José de Souza Vianna.

(8) DINIZ, Antônio Gabriel, “Dados para a história de Curvelo”, p. 96.

(9) Arquivo Público Mineiro, atas da Câmara Municipal de Curvelo.

(10) COSTA Júnior, José Pereira da Costa − Filho do capitão José Pereira da Costa e de Júlia Hypólita Pereira da Silva (†24.07.1882).

(11) ABREU, Maria Leopoldina da Conceição Pereira da Costa, †07.07.1905 (M. L. C. Abreu, nome de solteira) − Filha do capitão Anastácio José Gonçalves de Abreu e de Francisca Marcianna de Assis e Castro. / Veja o Post: “Dois Anastácios”.

(12) A data de falecimento de João Francisco de Assis de Souza Vianna, 13.08.1888, é deduzida de informações orais.

(13) LIMA, Clarindo Jorge de − Natural de Diamantina, filho de Jorge de Lima e Isabel Augusta de Lima. Anotação do casamento no Serviço Registral das Pessoas Naturais de Curvelo, livro B 01, fl 47.

 

Anúncios

6 Comentários »

  1. Eduardo.
    Como sempre, suas pesquisas elevam nossa história e nossa memória. É a grande prova de que existimos. Muito bom saber de todas essas sagas.
    Parabéns!
    Maria Marilda Pinto Correa – Lagoa Santa MG

    Comentário por Maria Marildapinto correa — 02/10/2013 @ 3:47 pm | Responder

    • Marilda:
      Agradeço as palavras da minha grande incentivadora. Pretendo continuar escrevendo, se a fonte não secar.
      Um abraço do Eduardo.

      Comentário por sumidoiro — 02/10/2013 @ 5:06 pm | Responder

  2. Eduardo:
    Mais uma bela história dos nossos antepassados. O que você escreve vai completando o quadro da nossa família e é sempre uma leitura agradável. Espero que continue nos presenteando com essas memórias.
    João Vianna

    Comentário por João Vianna — 03/10/2013 @ 4:21 am | Responder

    • Olá João:
      Fico feliz de saber que você gostou. Vou continuar. Estou organizando mais alguns documentos que possuo.
      Muito obrigado e um abraço do Eduardo.

      Comentário por sumidoiro — 03/10/2013 @ 9:04 am | Responder

  3. Olá! Primeiramente, quero dar os meus parabéns pela pesquisa e documentação tão rica, para todos e particularmente para nós, descendentes da família Vianna. Sou neta de Nathércia e bisneta de Flavia Augusta. Tenho a mesma foto da minha bisavó que aparece nos seus registros. Na foto que possuo, já muito desgastada pelo tempo, aparece o casal. Nessa foto, José Diniz usa gravata de laço ao lado da esposa. Fico extremamente feliz por poder aprofundar no conhecimento dos meus antepassados. Um abraço, Cassia Maria

    Comentário por Cassia MAria Foureaux Bhering — 17/08/2016 @ 10:21 pm | Responder

    • Cassia:
      Por favor, envie-me a foto que possui.
      Muito obrigado pelo comentário e um abraço do Eduardo.

      Comentário por sumidoiro — 18/08/2016 @ 9:23 am | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: