Sumidoiro's Blog

01/10/2020

COR DE GENTE

Filed under: Uncategorized — sumidoiro @ 7:25 am
Tags: , ,

A verdade está no tom

Ninguém nunca foi preto, nem branco, e nunca será uma coisa ou outra. Ademais, nessas questões, as palavras têm sido usadas de maneira enganadora, às vezes servindo para criar preconceitos. Entretanto, um bom conceito vem da teoria das cores, apoiada na história e na etimologia.

Variações tonais da tez humana, segundo amostras retiradas do Sistema de Munsell (1).

Leitoras e leitores: Este que aqui vos escreve, nunca viu uma pessoa preta ou negra, branca, amarela, vermelha, etcétera e tal, muito menos de sangue azul. Na verdade, as conhece em vários tons.

——

      A palavra cor, em sentido amplo, tem servido para definir uma das aparências da natureza. Como parte das imagens, ela entra pelos olhos sob a forma de luz e percorre um caminho que termina no cérebro. Ali, passa por uma elaboração que redunda num conceito individual e o mesmo acontece com o branco e o preto. Cada um vê cada coisa como pode e, algumas vezes, como quer!

Por outro lado, apesar da forma* possuir cores, a matéria em si não as tem. Nesse aspecto, o papel da matéria é tanto refletir, quanto absorver luz e, dessas maneiras, é que faz surgir os mais variados tons ou tonalidades. De fato, cores puras não existem, pois tudo são combinações em três parâmetros, do matiz, do valor e da saturação**. — * Toda forma material tem: tamanho, configuração, textura e cor. / ** Matiz: o nome da cor; Valor: o brilho da cor; Saturação: a intensidade da cor. 

Além do mais, o branco e o preto absolutos também não existem. Outro aspecto relevante é o cinza – o mesmo que valor –, que não é cor nem tom, mas tão somente brilho, o qual pode variar do branco ao preto. É uma sucessão que, de maneira mais apropriada, a teoria chama de escala de valores.

É preciso entender que a matéria não traz a cor em si e aqui vai um exemplo. Se alguém for comer u’a maçã num quarto absolutamente escuro, certamente o ambiente não ficará vermelho e nem a fruta será vista. Nesse ambiente, a maçã poderá ser identificada pelo tato, pelo olfato e pelo paladar. Quando for mordida, ruídos serão ouvidos. Desse modo funcionam as coisas no império dos sentidos.

A sensação de cor pode ocorrer de duas maneiras, segundo os seguintes roteiros:

1. Luz → Olho → Cérebro. / 2. Luz → Matéria → Olho → Cérebro.

Ao final desse caminho, chegando ao universo multicolorido, o que se forma é sempre um tom, produto da mistura de um matiz com um cinza. Ele pode ser mais ou menos saturado, mais ou menos brilhante. Isso é justamente o que ocorre com cor de gente.

Egípcios em três tons.

À FLOR DA PELE

Em se tratando da cor de gente, é preciso saber que ela difere apenas no que está à mostra por fora. Por dentro, todos são basicamente iguais, da mesma cor. Por isso, em busca de respostas, vamos perguntar aos dicionários:

1. Tez – superfície, especialmente do rosto humano, o mesmo que epiderme.

2. Melanina – proteína responsável pela pigmentação da pele e dos pelos dos mamíferos. Principal responsável por colorir a pele e os pelos dos seres humanos, além de proteger o DNA das células contra a radiação ultravioleta emitida pelo sol.

Chamam atenção os verbetes moreno e trigueiro, definidos no dicionário Aurélio, assim:

Moreno – “… aquele que tem cor trigueira.” | Trigueiro – “Que tem cor de trigo maduro.”

Com a mesma temática, Ari Barroso compôs a Aquarela do Brasil, dando seu recado:

Ô! Esse Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil brasileiro
Terra de samba e pandeiro
Brasil! Brasil!

O termo trigueiro serve como adjetivo tanto de branco, quanto de pardo. Pelo menos, é o uso constatado em textos de jornais do início do século XIX, arquivados na Biblioteca Nacional. Imagem abaixo:

Jornais do início do século XIX: branco trigueiro e pardo trigueiro.

A origem do termo pardo está no sânscrito pardāku, chegando ao latim como pardus, que é o nome que davam ao leopardo. O pelo de vários tipos de pardus é de tonalidade* apagada e, em alguns animais, amarronzados, noutros mais acinzentados. Aliás, em italiano, leopardo se diz gatopardo. — * Sinônimo de tom.

Mais para a frente, surge a palavra pardacento, adjetivo que serve para dizer de aparência parda, apagada. Nos humanos, pardo e pardacento se aplica a miscigenados, ou seja, à junção de pele escura com pele clara. Entretanto, a ignorância tradicional leva a imaginar que o(a) descendente perdeu a cor. Não! É exatamente o contrário, adquiriu um tom mais colorido.

Com o auxílio das duas palavras, pode-se dizer: “A cor desse tecido é pardacenta, bem apagada.” “Vem chuva, o céu está coberto de nuvens pardacentas, é hora de comer um frango ao molho pardo.” “À noite, todos os gatos são pardos.” 

O famoso português, Antero de Quental, escreveu um poema intitulado Visão, falando do pardacento, assim:

Eu vi o Amor — mas nos seus olhos baços
Nada sorria já: só fixo e lento
Morava agora ali um pensamento
De dor sem trégua e de íntimos cansaços.

Pairava, como espectro, nos espaços,
Todo envolto n’um nimbo pardacento
Na atitude convulsa do tormento,
Torcia e retorcia os magros braços…

E arrancava das asas destroçadas
A uma e uma as penas maculadas,
Soltando a espaços um soluço fundo,

Soluço de ódio e raiva impenitentes…
E do fantasma as lágrimas ardentes
Caíam lentamente sobre o mundo!

Outro expoente da arte literária, o brasileiro Machado de Assis, que era pardo, também deu seus recados sobre o tema, como este:

“Akáki Akákievitch não tinha a mínima preocupação com o vestir: seu uniforme passara de verde a um pardacento esfarinhado.” — Novela “O capote”, 1843.

Escritor Machado de Assis. / Um felino pardo, o mesmo que leopardo. / Um homem pardo.

Os dicionários chamam também atenção para as palavras negro e preto:

” Que se refere a pessoa de etnia negra.” (Michaelis)

” … diz-se de ou do indivíduo de pele muito escura; com significado antigo, diz-se de ou escravo de pele escura.” (Dic. Priberam / Portugal))

Contudo, todas estas conotações são relativamente recentes. Em tempos remotos, havia outra maneira para se referir a pessoas de pele escura, usava-se a palavra etíope*. Ampliando, diziam Etiópia(as) como terra(as) onde habitavam etíopes. — * Derivada do grego αἴθω + ὤψ (queimada + face).

Bem mais tarde, em 1572, numa passagem dos Luzíadas(2), Camões falou bem das pessoas de pele escura, assim:

A gente que esta terra possuía,
Posto que todos Etíopes eram,
Mais humana no trato parecia
Que os outros que tão mal nos receberam.
Com bailes e com festas de alegria
Pela praia arenosa a nós vieram,
As mulheres consigo e o manso gado […]
As mulheres, queimadas, vêm em cima
Dos vagarosos bois, ali sentadas, […]

Representações de um líbio, um núbio, um asiático e um egípcio.

A dita palavra vem do grego antigo αἰθίοψ (aithíops) – aíthō = queimado / ṓps = rosto. No latim, se escreve aethiops, que tem servido para dar nome científico a vários animais negros – ou quase –, entre eles uma formiga, a Camponotus aethiops. Isso mostra que a palavra vai sempre pulando de galho em galho e ampliando seus significados, para o bem ou para o mal.

Cabe ainda notar que, antes da disseminação da escravatura no mundo ocidental, a cor escura era vista com outros olhos, atenuada em preconceitos. Mas não deixavam de separar os humanos pela cor da pele. Esse foi o entendimento do arqueólogo Heinrich von Minutoli*, depois de ter acesso a vários painéis descritivos do Egito Antigo, encontrados no túmulo do rei Seti I. Trata-se de uma narrativa que recebeu o título de Livro dos Portões(3). * General prussiano (*12.05.1772 / †16.09.1846).

Os indivíduos, então conhecidos pelos egípcios, eram classificados no critério raça/cor, basicamente de acordo com a tez de cada um. Segundo interpretações atuais, seriam os líbios (brancos), os núbios (negros), os asiáticos (amarelos) e os egípcios (pardos).

CORES OFICIAIS

No Brasil, frequentemente, os conceitos de etnia e raça estão misturados e confundidos. Há quem diga que raça englobaria um conjunto de características do próprio organismo, como a cor da pele. Por sua vez, etnia incluiria fatores culturais, como a nacionalidade, afiliação tribal, religião, língua e as tradições de um determinado grupo.

Por outro lado, o empenho do estado em separar pela cor começou com o Censo Geral do Império, em 1872 – o primeiro do país – e permanece nos dias atuais. Recentemente, através do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, andam insistindo em fazer pesquisas sobre cor ou raça. Porém, de modo arbitrário, reduzida a quatro opções, preta, parda, indígena ou amarela, acrescentando também etnia e língua dos indígenas.

Porém, vale lembrar, o pesquisador Craig Venter(4), pioneiro no sequenciamento do DNA, afirmou em junho de 2000: “O conceito de raça, não possui base genética, nem científica“. Durma quem puder, com um barulho desses!

Frontispício de Fábulas de Esopo (Fabulae Aesopi) e ilustração de “Lavar o etíope”.

A COR E A DOR DA ALMA

Para ilustrar mais o tema, chega-se até Esopo, que seria etíope(6) e de pele escura. Com o simbolismo da fábula O corvo e o Cisne, ele aponta uma sequela advinda do preconceito, o complexo de inferioridade. Assim fala:

Depois de ver o cisne, o corvo ficou com inveja de sua cor, imaginando que era devido às águas em que se banhava. Então, o corvo muda sua rotina e passa o tempo todo percorrendo rios e lagos. Porém, em vão se esfregou e não mudou de cor. E assim foi indo, até que a fome o destruiu. / Moral: Nossa natureza não se altera só pela mudança de comportamento.

Contudo, passado muito tempo, a fábula foi adaptada de maneira perversa, levando o título de como Lavar o etíope. Pode ser lida numa publicação (vide ilustração cima) de 1727,  que cita como fonte o escritor grego Homero. Dessa feita, o corvo se transfigura num etíope, melhor dizendo, um homem escuro que pretende ficar claro. Também o provérbio é reescrito, como “Tentar lavar um etíope é trabalhar em vão.”

Corrobora essa ideia, das variações tonais, o fato científico de que elas são consequência da radiação solar. Basta ver o tom bronzeado, ou avermelhado, que alguns adquirem numa temporada de praia. Nesses casos, muda o tom mas não muda a genética, nem define a tal de raça.

E agora, minha gente, em meio a essa parafernália colorística, concorda que a verdade está no tom?

Por Eduardo de Paula

Revisão: Berta Vianna Palhares Bigarella

——

(1) MUNSELL, Albert Henry – (*Boston, Massachusetts, 06.01.1858 / Brookline, Massachusetts, †28.06.1918) Norte-americano, inventor de um sistema tridimensional das cores. As obras mais importantes são “A Color Notation” (1905) e o “Atlas of the Munsell Color System” (1915). Foi também pintor de paisagens, marinhas e retratos.

(2) OS LUZÍADAS – Obra de poesia épica de Luís Vaz de Camões (nascimento e morte: *c.1524 / Lisboa, †10.06.1579 ou 1580.) Publicada pela primeira vez em 1572, no período literário do Renascimento, três anos após o regresso do autor do Oriente.

(3) LIVRO DOS PORTÕES – Título dado por Gaston Camille Charles Maspero (Paris, *24.06.1846 / Paris, †30.06.1916). Egiptólogo, membro do Collège de France, membro da Academia de Belas-Artes e comendador da Legião de Honra.

(4) VENTER, John Craig – bioquímico e empresário americano, conhecido por trabalhos pioneiros no sequenciamento do genoma humano e por seu papel na criação de uma forma de vida artificial. Em junho de 2000, numa cerimônia na Casa Branca (USA), pronunciou a frase: “O conceito de raça, não possui base genética, nem científica“.

(6) ESOPO – (Nessebar, *620 a.C. / Delfos, †564 a.C.) Escritor da Grécia Antiga a quem são atribuídas fábulas populares.

01/09/2020

CASCAVEL & CIA.

Filed under: Uncategorized — sumidoiro @ 9:09 am
Tags: , ,

♦ Cuidado com a catacrese!

Encantados com um barrete* vermelho, uma carapuça de linho e um sombreiro, mais umas manilhas e um punhado de cascavéis, com facilidade os índios entregaram o Brasil aos portugueses. O preço que pagaram por Pindorama, foi uma verdadeira pechincha. Está na carta ao rei d. Manuel, anunciando a “descoberta”(1) da terra que, daí a pouco, foi renomeada como Vera Cruz. À primeira vista, tudo pode parecer inusitado, mas é pura verdade. — * O mesmo que capuz.

Leitura por Caminha, para Cabral, da carta a ser enviada a d. Manuel.

COISAS E PALAVRAS

      Em 9 de março de 1500, Pedro Álvares Cabral partiu de Lisboa para “descobrir” o Brasil. Consumado o feito, no momento do primeiro encontro com os índios, não havia palavra que lhes fosse inteligível. Porém, os estrangeiros recorreram a uma linguagem universal. Sabiam, por experiências anteriores, que ela entrava forte pelos olhos e ouvidos, com sucesso garantido. Vai daí que, de boa-fé, os índios se abalaram com as mensagens dos portugueses. Porém foram enganados, todo mundo sabe! O acontecimento foi narrado pelo escrivão da armada, Pero Vaz de Caminha, em carta ao rei d. Manuel, assim:

“E, na quinta-feira, pela manhã […] seguimos […] diretos à terra […] E chegaríamos a esta ancoragem às dez horas, pouco mais ou menos. […] E o capitão-mor mandou em terra […] a Nicolau Coelho para ver aquele rio. E tão logo ele começou a ir para lá, acudiram pela praia homens, ora dois, ora três, de maneira que, ao chegarem à boca do rio, ali já havia dezoito ou vinte […] Naquele momento, não podia haver fala, nem entendimento de proveito, pois o mar quebra na costa. Somente lhes deu um barrete vermelho* e uma carapuça de linho […] e um sombreiro preto. — * O mesmo capuz colocado no Saci-Pererê, personagem do folclore brasileiro.

Ao sábado*, pela manhã, […] ordenou ao capitão Nicolau Coelho e Bartolomeu Dias que fossem em terra […] Levava Nicolau Coelho cascavéis e manilhas. E a uns dava um cascavel, a outros uma manilha, de maneira que, com aquele engodo, quase nos queriam dar a mão.” 

DECIFRANDO

O cascavel de Cabral é uma pequena esfera oca de metal, com uma ranhura, tendo no seu interior uma peça metálica. Uso delas se faz atreladas aos pulsos, braços, no peito ou nas pernas. Da mesma maneira na cabeça ou pescoço dos cavalos, ou mesmo atados em algum outro animal. Quando sofre impacto, por menor que seja, balança e soa com estridência. Por isso é que um cão decorado com cascavéis é sempre notado. E um gato com cascavéis faz um tremendo estardalhaço! Ou seja, quem apela para esses penduricalhos, de alguma maneira quer chamar atenção. 

Vai daí que, com inspiração no soar das esferinhas, foi dado o nome de cascavel à cobra peçonhenta. Seu chocalhar é um alerta e avisa que merece respeito. Quanto à sua ocorrência, abrange territórios que vão do México à Argentina. No Brasil dos índios, uns lhe atribuíram o nome maraká mboya*, outros, mboy sininga**. Espelhando-se na cobra, surgiu também uma variação de significado, o de pessoa de má índole, de gênio ruim, que gosta de fazer maldades. — * Maraká = chocalho; mboya = serpente. / Mboy sininga = cobra que vibra.

Manuscrito do El Cid, com a palavra cascaueles. / Estátua de Mynaia (Álvar Fañez).

ANTIGUIDADE

No latim vulgar, a palavra é cascabellus, que significa guizo ou sineta. Porém, a etimologia aponta para origens mais antigas e em outras fontes linguísticas. Na Espanha, comprovam os fatos, o cascavel já circulava antes do ano de 1207. Num manuscrito da época, aparece o termo copiado de um texto antigo e grafado no plural, como cascaueles. Trata-se do Poema del Cid (2), versando sobre os heroísmos do El Cid, o homem que livrou Valência da dominação dos condes de Barcelona. — * Naquela época, a letra U representava tanto os sons do V quanto do U.

Numa passagem do poema, fala-se do nobre Minaya, assim:

“… diro mynaya baymos caualgar […] en buenos caballos a petrales, a cascaueles / E a cuberturas de gendales, escudos a los cuelos / E en las manos lanzas q pendones traen…”

Tradução: “… disse Minaya*, vamos cavalgar […] em bons cavalos com peitorais, (e) com cascavéis, escudos no pescoço / e nas mãos lanças que pendões trazem…” — * Mynaia representa o nobre Álvar Fáñez, herói e líder militar, no reinado de Alfonso VI.

Cobra cascavel, cascavéis de metal e chocalho da peçonhenta.

SOBRE A MANILHA

Quanto à manilha, trata-se de uma pulseira ou bracelete, que se usava atada aos pulsos, braços, pernas, etc. Não é uma simples argola, surgem com formas variadas. Algumas, devido à sua preciosidade artesanal e de material, foram usadas como moeda. Verdade é que, muito antes da “descoberta” do Brasil, as manilhas supriam navios portugueses como peças muito importantes. O navegador Duarte Pacheco Pereira, a quem atribuem a chegada ao Brasil antes de Pedro Álvares Cabral, obtinha vantagens a troco de manilhas. Isto se sabe através do Esmeraldo de situ orbis, manuscrito de sua autoria. Quando trata da sua passagem pela costa oeste da África, em 1488, particularmente da Etiópia da Guiné, diz que fez uso das manilhas, assim:

“… Foi encontrado um rio muito grande, que se chama Rio Real […] as gentes desse rio são chamadas de Jos, eles […] são nus e todos comem carne humana e, na boca desse Rio Real […] está uma grande aldeia […] nessa terra há as maiores almadias* todas feitas de um pau que se sabe há em toda Etiópia de Guiné** e, algumas delas, há de tais tamanhos que levam oitenta homens.

E estas […] trazem muitos inhames que aqui são muito bons […] e trazem muitos escravos e vacas, e cabras, e carneiros, e há um carneiro que chamam bozy. E tudo isso vendem por sal aos negros da dita aldeia. E as gentes dos nossos navios compram essas coisas por manilhas de cobre, que são muito estimadas, mais que as de latão*. E, por oito ou dez manilhas, se pode haver um bom escravo…” — * Almadia: embarcação comprida e estreita, talhada em um tronco de árvore. / ** Naquela época, era comum chamar as terras onde viviam negros de Etiópia e os negros de etíopes. / *** Latão: liga de cobre e zinco.

Mais adiante, em 1490, o rei d. João II , com o propósito de comemorar o casamento do seu filho d. Afonso com a princesa d. Isabel, promoveu uma sucessão de festas. O cronista Garcia de Rezende, em 1607, escreveu uma rememoração dos fatos:

” E houve aí u’a muito grande representação de um rei da Guiné, em que vinham três gigantes espantosos, que pareciam vivos, de mais de quarenta palmos cada um, com ricos vestido todos pintados d’ouro, que parecia coisa muito rica.

E, com eles, u’a muito grande e rica mourisca retorta, em que vinham duzentos homens tintos de negro, muito grande bailadores, todos cheios de grossas manilhas pelos braços e pernas douradas, que cuidavam que eram d’ouro, e cheios de cascavéis dourados, e muito bem concertados, coisa muito bem feita…”

Manilhas egípcias.

ENGANAÇÕES

Bem antes de Cabral, e de modo a iludir os nativos, os portugueses usaram e abusaram dos cascavéis, mas também das manilhas e dos barretes vermelhos. Para início de qualquer diálogo, as peças estavam sempre à mão, prontas para convencer mais que as palavras. Nesse sentido, uma lembrança vem de Vasco da Gama, durante sua descoberta do Caminho das Índias. Está no relato da viagem: 

Ano de 1497 — “Em 25 dias do […] mês de novembro, um sábado à tarde […] entramos em Angra de São Brás*, onde estivemos por treze dias […] Na sexta-feira seguinte, […] vieram cerca de 90 homens pardos […] eles andavam ao longo da praia, alguns trepados em outeiros**. — * Na região do Cabo da Boa Esperança. / ** Outeiro: pequena elevação.

[…] e, quando os vimos, fomos em terra […] e, […] o Capitão-Mor lhes lançara cascavéis […], e eles os tomaram, e não somente […] os que eram lançados, mas vieram tomá-los das mãos do Capitão-Mor. […] do que ficamos muito maravilhados […]

Noutro momento, no mesmo dia 25 e um pouco mais longe, houve mais um contato com os nativos. Assim consta no Diário:

“E o Capitão-Mor mandou então que os apartassem e que viessem um ou dois deles, e isto por acenos. E àqueles que vieram (vieram à bordo) o Capitão lhes deu cascavéis e barretes vermelhos, e eles nos deram manilhas de marfim que traziam nos braços, porque nessa terra, segundo nos parece, há muitos elefantes e nós achávamos o estrabo (excremento) deles bem em frente da aguada onde vinham beber.

COM EMOÇÃO

Em 1553, tocado pelo evento da Descoberta do Caminho das Índias, Camões repetiu a mesma viagem e, daí, empenhou-se em escrever os Luzíadas(3). Numa passagem, narra a mesma experiência que havia lido no diário de Vasco da Gama, assim:

Mando mostrar-lhe peças mais somenos:
Contas de cristalino transparente, 
Alguns soantes cascavéis pequenos,
Um barrete vermelho, cor contente.
Vi logo, por sinais e por acenos,
Que com isto se alegra grandemente.
Mando-o soltar com tudo, e assim caminha
Para a povoação que perto tinha.

Poderosas guerreiras ahosi, cobertas de manilhas (foto de 1908).

MEIO DE PAGAMENTO

Na segunda metade do século XV, com o estabelecimento de feitorias de Portugal no oeste da África, surgiu o comércio de escravos. As ofertas vinham de negros que repassavam seus cativos, também negros, para os portugueses. Porém, num certo momento, devido a ganância dos vendedores, houve a interveniência de d. Manuel. Nesse sentido, o rei estabeleceu o seguinte preceito:

Regimento do Trato de São Tomé – 08.02.1519 — “Nós el Rei […] fazemos saber a vós, Álvaro Frade […] que ora encarregaremos de feitor do nosso trato dos escravos da Ilha de São Tomé […] não deem por peça (escravo) mais de quarenta manilhas e daí para baixo, o menos que puder ser…”

Entretanto, daí para a frente, tanta foi a demanda pela manilha que o adereço se vulgarizou, a ponto de tornar-se obrigatório na indumentária de alguns grupos africanos, mais entre as mulheres. Denotava poder, senão delas próprias, pelo menos dos seus maridos ou de quem elas serviam. Considerando a mesma particularidade, durante o século XVII, surgiram as temidas guerreiras ahosi, no reino do Daomé (atual Benin). E como identidade, traziam seus corpos cobertos de manilhas. Treinadas para serem guardiãs do rei, lutaram bravamente durante as incursões coloniais europeias. Alguns ocidentais as tratavam como amazonas(4), visto que  denotavam tremenda valentia.

VARIAÇÕES

Avançando nos significados, ensina o padre Bluteau(5), no seu dicionário:

Manilha — bracelete ou argola que alguns povos trazem nos braços por adorno […] Huma manilha d’agua, isto é, hum anel […]“.

Neste segundo sentido, corresponde à bitola de um cano e à capacidade condução hídrica. Daí, como desdobramento, foi criado um sistema de medidas que compreende a manilha, o anel e a pena d’água que, em Portugal, prevaleceu até meados do século XIX. Como subdivisão da manilha havia o anel e a pena*. Esta última, correspondendo ao orifício de uma pena de pato**. — * 1 manilha = 16 anéis; 1 anel = 8 penas. / ** Onde não há hidrômetros, a pena d’água ainda está em uso.

Variações da manilha.

Naturalmente, à medida em que a manilha se desdobra em função e forma, ocorre a ampliação da sinonímia. Assim aparecem argola, pulseira, anel, colar, coleira, etecétera e tal. São objetos com a serventia de envolver, prender ou abraçar algo – pessoas, bichos e objetos –, que são ditos como cadeados*, trancas, algemas*, etc. Com essa vasta conotação, a manilha – em palavra e forma – permanece viva em vários apetrechos de uso corriqueiro. Alguns são mostrados na figura acima. * Cadeado: tranca que possui uma argola em forma de U. / ** Duas manilhas ligadas a uma corrente compõem um par de algemas.

ANTIGUIDADE

Mais uma vez, no dicionário do padre Bluteau, são esclarecidos alguns pontos, quais sejam:

Bracelete – Ornato que as mulheres costumam trazer ao redor da parte inferior o braço. […] em um manuscrito […] do tempo do imperador Justiniano, se acha fibula de bracile, donde se infere que bracile era bracelete e bracile é corrupção de brachiale*. […] Tito Lívio chama armila. Segundo a etimologia, armila se deriva do latim arma e arma se deriva de armus, ombro. E, devido ao galardão de levarem armas aos ombros, davam os imperadores ou generais de exercito, aos bons soldados, uma insígnia de ouro que chamam armila. […] — * Brachiale: braçadeira.

Mas, com o tempo, as insígnias de guerra se fizeram enfeites de vaidade e, com razão, se queixa Tertuliano da vaidade das mulheres, que chegaram a converter em gala feminil os prêmios de valor militar. […] A propósito desta palavra, falando em cães que trazem coleiras, isto é uma figura gramatical que se chama catacrese […]”

De fato, catacrese é um tipo de metáfora que se incorpora no uso comum da língua. Assim sendo, em sentido figurado, manilhas unidas uma às outras formam um tubo condutor, que pode servir para esgotar água, dejetos, e mais seja lá o que for. De outra maneira, o cascavel virou ofídio, barulhento, temido e mortal. 

Agora, com o perdão do bom humor, permita-me um conselho: “Nunca enfie a mão numa manilha sem cautela, lá pode haver uma cascavel adormecida. Cuidado para não despertar a catacrese!”

Pesquisa, texto e arte por Eduardo de Paula

Revisão: Berta Vianna Palhares Bigarella

——

(1) Suspeita-se outros, entre três navegadores, haviam chegado a algum ponto da costa de Pindorama (Brasil), antes de Cabral. As versões apontam para o português Duarte Pacheco, em 1498; e os espanhóis Vicente Pinzón, em janeiro de 1500 – companheiro de Colombo na descoberta da América – e Diego Lepe, em fevereiro de 1500.

(2) Poema del Cid ou Cantar del Mío Cid – Primeira obra da poesia épica espanhola, reunindo as façanhas de Rodrigo Díaz de Vivar, mas é também um ensaio a traduzir o espírito castelhano. Disseminado por menestréis em praças e castelos, o “Cantar”, além de exaltar valores inerentes à honra e à liberdade, oferece u’a amostra dos costumes da época.

(3) Os Lusíadas – Obra de Luís Vaz de Camões – poesia em estilo épico. Provavelmente concluída em 1556 e publicada em 1572, três anos após sua viagem ao Oriente. Tem como tema a descoberta do Caminho das Índias, por Vasco da Gama, e está mesclada com episódios da história de Portugal.

(4) Amazonas – Segundo a mitologia grega, eram mulheres guerreiras. Elas foram descritas por Heródoto, em 450 a.C. / Delas vem, lá no século XVI, a inspiração para o nome do rio Amazonas, talvez fantasiosa. Diziam que um grupo de nativos, liderados por mulheres, teriam atacado a expedição de Francisco de Orellana. Antes disso, o rio era conhecido como Marañón.

(5) BLUTEAU, Rafael – Religioso português. Autor do monumental Vocabulário Português e Latino, que mais tarde António de Morais Silva modernizou e ampliou, dando assim origem ao seu Dicionário da Língua Portuguesa.

01/08/2020

MUITO VERMELHO

Filed under: Uncategorized — sumidoiro @ 7:40 am
Tags: , , ,

♦ O tempo todo, por toda parte

Tudo que se vê tem origem na energia eletromagnética. Ela chega aos olhos estimulando células especializadas que existem na retina, chamadas cones e bastonetes. São sensores de configurações, texturas e cores e, como consequência, de imagens. Conectadas ao nervo ótico, remetem mensagens ao cérebro, onde há que se produzir formas por completo(1). Afinal de contas, tratam-se de elaborações mentais, que variam de pessoa para pessoa e de acordo com a capacidade perceptiva de cada uma.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é post-arco-icc81ris-objeto.jpgProjeções de luz solar, decomposta através de um prisma de cristal.

COR E PALAVRA

      Vermelho é cor primária de energia luminosa, tal como aparece no arco-íris. Nesse caso, as duas outras primárias, que vão formar o trio fundamental, são o verde e o azul, melhor dizendo, azul-violeta. Desse conjunto surgem as demais, cada qual com seu nome. Bem entendido, fala-se de luz*. Contudo, além do arco-íris, ao se tratar das demais cores que entram pelos os olhos, muita coisa pode ser diferente, especialmente quando se fala das cores materiais*. Quase sempre bem diferentes, até mesmo nas palavras!  * CORES DE TINTA. As primárias são vermelho-magenta, amarelo e azul-ciano.

A palavra vermelho é proveniente do latim vermiculus, diminutivo de vermis. Nesse caso, foi tomado no sentido de parasita. Na verdade, vermiculus não é um verme, mas um inseto – coccum* – do qual se extrai o corante cocccinus**vermelho-carmim(2). Ele vive e tira seu alimento de um carvalho, espécie árvore frequente em países banhados pelo mar Mediterrâneo, mas estendendo-se a territórios um pouco mais além. Seu nome científico, em latim, é quercus coccifera***.  * Coccum = pequeno grão. — Apenas a fêmea produz o corante. / ** Em latim: cocccinus (funcionando como adjetivo). / *** Quercus = carvalho / coccum, cocci = grão / fera = portador.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é post-chapeuzinho-1.jpgEm árabe, vermelho se diz kirmizi, cuja etimologia remete à mesma do português carmim, por via de kermes, o nome do inseto. Em turco, o nome da personagem de literatura infantil, Chapeuzinho Vermelho, é traduzido como Kirmizi Baslikli Kiz

Em catalão, vermelho se diz vermell, em italiano vermiglio e em francês vermeil, embora as duas últimas palavras não sejam prevalentes nessas línguas. De outras maneiras, em italiano a principal é rosso, em espanhol rojo e, em francês, rouge. Em português, a palavra irmã é rubro, com a mesma origem das três anteriores aqui ditas.* No russo, e muito a propósito, é krasnyj (derivado de kermes). * Derivadas do latim rubeus.

ROJO MEXICANO

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é post-colheita-do-pulgacc83o.jpgRecolhendo a “cochonilla” (cochonilha). / A fêmea produtora do vermelho.

No século XVII, enquanto o México esteve sob o domínio espanhol, chegou aos ouvidos do rei Carlos V a notícia de que havia por lá por uma outra espécie de parasita, altamente produtor de corante vermelho. Tão saturado e luminoso, nunca fora visto outro. O inseto ficou conhecido como cochinilla*, em espanhol. Em português, a palavra foi modificada para cochonilha. Assim, devido a grande demanda que havia pela cor, o soberano cuidou de explorar a nova e surprendente fonte. — * Do latim coccĭnus.  

A primeira remessa, ocorreu no ano de 1523, partindo do porto de Vera Cruz. Desde então, o negócio passou a render expressivas fortunas, superadas apenas pelas provenientes da prata. O sucesso do vermelho da América foi abrangente, de modo que se espalhou pelo mundo e chegando à longínqua Veneza, também conhecida como Cidade da Cor. Ali inventaram a tinta de cochonilha para pintores, que ficou conhecida como Rosso de Venezia*. O artista veneziano Jacopo Tintoreto a utilizou e, com tanta maestria, que passaram a dizer Rosso Tiziano. — * Vermelho de Veneza ou Carmim de Veneza.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é post-fibras-cochonilha.jpgFios tintos com o “rojo mexicano”.

A cochonilha é parasitária do cacto Opuntia cochenillifera. A fêmea, dita como cochinilha do carmim ou grana cochinilha, tem o nome científico Dactylopius coccus. No náhuati – língua nativa do século V –, a matéria prima era dita como nocheztli, que se traduz por sangue de cacto. Agora, esporadicamente, chamam a cor de Rojo* Mexicano. — * Vermelho.

No artesanato, a tradição se mantém, tirando partido da enorme variedade de matizes e tons que o material oferece. Quanto aos matizes são três, o vermelho-carmim, o vermelho-magenta e o vermelho-alaranjado, e os tons são suas consequências. Também na arte erudita, há admiráveis obras com essa fonte de cores. Um renomado pintor barroco, Cristóbal de Villalpando, natural do México (c.*1649 / †1714), deixou magnífica obra em Rojo Mexicano. (3)

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é post-viallapando-_-anunciaccca7acc83o.jpg“Rojo mexicano”, em “Anunciación”, 1706, por Cristóbal de Villalpando (detalhe).

Hoje em dia, o material corante tem sido largamente utilizado em alimentos e artigos de beleza. O propósito é tornar o produto mais chamativo aos olhares mas, de alguma maneira, é poderoso agente de ilusões. Mesmo sem saber, quase todo mundo está a ingerir o inseto em refrigerantes, sorvetes, charcutaria*, tortas de frutas, biscoitos, confeitos, etc**. Além dos produtos comestíveis, dá cor em batons, ruges, etc. Atualmente, a maior fonte da matéria prima está no Peru, que detém 95% do mercado. — * Charcutaria: alimentos feitos à base de carnes ou miúdos; embutidos, salsichas, etc. / ** Nas embalagens é anotado como carmim de cochonilha.

INSITAÇÕES E EXCITAÇÕES

NEsta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é post-barrete-_-culote.jpgo que toca à percepção, vermelho é cor agressiva. Dá para dizer, fazendo metáfora, que belisca os olhos. Assim é que, contando com sua força, vários pintores pincelaram trajes vermelhos para representar personagens proeminentes, geralmente divinos, autoritários, heróicos e endinheirados. Via de regra, a pedido dos retratados.

Com o mesmo apelo e muito simbólico é o “barrete frígio” que, num certo momento, alguns tingiram de vermelho. Dessa forma, o adotaram os jacobinos*, partícipes da Revolução Francesa, juntamente com os sans-culottes**. O adereço, semelhante ao capuz do Saci-Pererê, a princípio representava o bem, ou seja, anseios de liberdade. Entretanto, logo depois, passou a representar o mal, quando os jacobinos, movidos por qualquer motivo, passaram a perseguir e até mesmo executar, aqueles que consideravam seus opositores. A partir do século XX, o vermelho foi definitivamente associado ao esquerdismo político. — * Jacobinos: grupo elitista e mais radical. / ** Grupo popular, cujas pessoas não possuíam “culottes”, vestimenta utilizada somente pelos mais afortunados.

Atualmente, a vida nas sociedades modernas está permeada com alertas e recados em vermelho. O sinal de trânsito ordena parar; a mensagem de incêndio avisa do perigo; o rótulo da Coca-Cola desperta a sede; etcétera e tal. Não tem fim! O vermelho se faz presente também nos tapetes de Hollywood, nos vestidos das atrizes, nos sapatos do papa, nos trajes dos cardeais, no batom, cada vez mais insinuante – hoje usado por todos (!) os sexos –, e por aí afora. São demais os chamativos em vermelho! Nesse sentido, cabe lembrar da invenção de um brasileiro bem-humorado, o substantivo composto em que o adjetivo é um verbo: o vermelho-cheguei. 

VERMELHO BRASILEIRO

Em abril de 1500, com a chegada da esquadra de Pedro Álvares Cabral em PindoramaTerra das Palmeiras –, a palavra vermelho entrou em evidência. Logo depois que os portugueses pisaram nessa terra, que virou Brasil, o escriba da comitiva, Pero Vaz de Caminha, várias vezes escreveu vermelho, na carta endereçada ao rei d. Manoel. Numa delas, falava da cor do urucu. E, para nossa surpresa, falou também dos “barretes frígios”, que os portugueses traziam consigo.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é post-urucum.jpgUrucu: frutos e sementes.

Assim está em um trecho da mensagem:

“E o Capitão mandou à terra Nicolau Coelho, no batel, para ver aquele rio. […] surgiram na praia homens, ora dois, ora três, de modo que, ao chegar o batel à boca do rio, já ali havia dezoito ou vinte homens. […]  Ali não pôde sentir deles haver fala, nem entendimento de proveito, porque o mar estava a quebrar na costa. Somente lhes deu (aos índios) um barrete vermelho* e uma carapuça de linho que levava na cabeça e um chapéu preto. — * Tudo indica que seria um “barrete frígio”.

[…] traziam alguns deles ouriços verdes de árvores que, na cor, queriam parecer de castanheiras, embora mais pequenos. E aqueles eram cheios de uns grãos vermelhos* pequenos que, sendo esmagados entre os dedos, faziam tintura muito vermelha com a qual eles andavam tintos. E quanto mais com elas se molhavam, tanto mais vermelhos ficavam”. — * Sementes de urucu. / [Texto: tradução interpretada].

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é post-rosto-urucum.jpgOs indígenas que habitavam o litoral, no século 16, falavam tupi, língua que sobrevive sob a forma denominada nheengatu, no tupi-guarani. Para dizer vermelho, usavam a palavra urukú*. Sua etimologia remete tanto à árvore do urucuzeiro**, como também às sementes do urucu, o seu fruto que, quando maduro as tornam vermelhas. Delas se extrai corante para pintar ou enfeitar os alimentos, o muito usado colorau. Isso mostra que o vermelho-urucu era a mais proeminente entre as cores de Pindorama. — * A palavra sobrevive no nheengatu, língua da mesma família do tupi-guarani. / ** Nome científico: Bixa orellana.

EMOÇÃO E POÉTICA

A cor do sangue é de causar arrepios! Mexe com os sentimentos, alguns deles, pode-se dizer, tornam-se dramáticos. Por isso mesmo, onde tem vermelho, tem emoção. Já em 1707, o médico português João Curvo Semmedo alertava sobre seus efeitos psicológicos. Disse assim:

“Ordenei que o doente não tivesse na cama cobertor vermelho; porque a cor vermelha, pela aparência e semelhança que tem com o sangue, o move e o faz sair para fora. Mas que só tivesse à vista e olhasse cobertor azul, negro ou pardo.” * SEMMEDO, Joam Curvo / “Observaçoens Medicas Doutrinaes”.

Essa cor é também muito apreciada para construir fantasias e narrativas, dirigidas tanto a adultos, quanto a pequerruchos. Na Bíblia, em Isaias 1:18, se diz qual é a cor do pecado, assim:

Venham cá, vamos refletir juntos, diz o Senhor: Embora seus pecados sejam vermelhos feito o escarlate, eles se tornarão brancos como a neve. Se forem vermelhos como o carmesim, ficarão brancos como a lã.”

Deve ser por isso que pintaram o capeta de vermelho. E o Saci-Pererê, não é mesmo um capetinha disfarçado com um gorro vermelho?

Agora, aqui vai uma poética do vermelho, em A Cochinilha. O autor nomeia o cacto como figueira que não é planta e as cochonilhas como purpúreos vermes. A criação de um anônimo francês, foi traduzida por Manuel Maria du Bocage(4), assim:

Figueira que o não é, planta não-planta,  
Folha sem árvore, árvore sem rama,
Me produz, qual assombro, em novo mundo,
Que o soberbo espanhol frequenta avaro;

Da figueira não sou nem flor, nem fruto, 
Lenho ou suco; e meus grãos, inda que belos,
São de purpúreos vermes só a estância*.
Que na folha mordaz estão ferrados.

Do sangue que lhes sevam, sai cor bela, 
Minha fama e meu bem da morte deles,
Com que a prezada púrpura me iguala.

Vale o pardilho meu sua viveza**, 
E se o meu inventor não se une aos deuses,
Ao menos a Índia minha imortalizo. — * Estância: morada. / ** Pardilho: pardacento, descolorido

• Veja também, aqui: “História do arco-da-velha”.

Pesquisa, texto e arte por Eduardo de Paula

Revisão: Berta Vianna Palhares Bigarella

——

(1) Apenas o ponto não tem forma e não ocupa lugar no espaço. Ele não tem configuração, ou seja, não tem tamanho, nem textura e nem cor.

(2) O corante do coccum é produzido apenas pela fêmea. / Corante e pigmento, características — Existem diferenças fundamentais entre corantes e pigmentos, cujas definições foram acordadas por várias organizações internacionais. Uma delas, a “The Ecological and Toxicological Association of Dyes and Organic Pigment Manufacturers (Basileia, Suíça)”, diz: “Corantes são substâncias orgânicas, intensamente coloridas ou fluorescentes, que conferem cor a um substrato por absorção seletiva de luz.” / Outra, a “Color Pigment Manufacturers Association, Inc. (Arlington, Virginia, USA)”, diz: “Pigmentos são sólidos orgânicos ou inorgânicos, também partículas coloridas, negras, brancas ou fluorescentes. Geralmente são insolúveis e, essencialmente, não são afetados física e quimicamente pelo veículo ou substrato ao qual são incorporados. Sua aparência se altera pela absorção seletiva e/ou pela reflexão de luz. Os pigmentos, geralmente, são dispersos em veículos ou substratos para serem aplicados, por exemplo, na fabricação de tintas, plásticos ou outros materiais polímeros.”

(3) VILLALPANDO, Cristóbal – Cidade do México, Nova Espanha, *c.1649 / †20.08.1714).

(4) BOCAGE, Manuel Maria Bardosa du – (Setúbal, Portugal, *15.09.1765 / Lisboa, Portugal, †21.12.1805). É considerado um dos mais importantes poetas e sonetistas portugueses do século XVIII.

 

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.